arqui]vos de antropo[logia

[p 6, –]

[p 6, 1]

“Eu: — Há ainda alguma prática do culto que o senhor considere notável? Sr. de Toureil: — Nós oramos freqüentemente, e nossas preces começam habitualmente com estas palavras: ‘Ó Map supremo e eterno.’ Eu: — O que significa este som, ‘Map’? Sr. de Toureil: — É um som sagrado, que reúne o ‘m’ significando mãe, o ‘p’ significando pai, e o ‘a’ significando amor… Estas três letras designam o grande Deus eterno.” Alexandre Erdan [A. A. Jacob], La France Mistique, 2 vols., Paris, 1855, vol. II, p. 632 [paginação contínua].


[p 6, 2]

O fusionismo não procura um sincretismo, mas a fusão dos homens entre si e com Deus.


[p 6, 3]

“Não haverá felicidade para a humanidade senão no dia em que a República enviar o filho de Deus à oficina de marcenaria do senhor seu pai.” Esta frase é posta na boca de Courbet em um panfleto que apresenta ao público os heróis da Revolução de Fevereiro.