[S 2, 4]

A eternidade da opereta, diz Wiesengrund em um ensaio a respeito, é a eternidade do ontem.

[ +++ ]